terça-feira, 28 de junho de 2011

Crítica : Uma Noite Fora de Série

Comédia com Tina Fey e Steve Carell, além de ser
muito boa, abala concorrentes.

Phil (Steve Carell) e Claire Foster (Tina Fey) são casados, têm filhos, mas o relacionamento caiu na rotina. Decidido a mudar o cenário, ele a convida para ir num restaurante super badalado e, sem mesa reservada, assume o lugar de outro casal que parecia ter faltado ao compromisso. Só não contavam com o fato de que os donos da tal mesa eram procurados por um mafioso e assim, a noite que era para ser divertida virou um salve-se quem puder pelas ruas de Nova York. 

Um filme com bom elenco, pode ser bom, porém como já disse em outras críticas, não basta só isso. Em uma noite fora de série, não encontramos só isso, mas uma comédia romântica aventureira, com a excelente Tina Fey da série 30 Rock e o excelente Steve Carell, da comédia O virgem de 40 anos. Os diálogos rápidos e a boa química entre Carell e Fey são os pontos positivos do filme.

Mas a aventura não é protagonizada apenas por Carell e Fey, temos como complemento do elenco o excelente James Franco, acompanhado de Mila Kunis, fazendo os interpretando os verdadeiros Triplehorn. O filme além de demonstrar ser uma comédia romântica diferente, entre ação e comédia, nos protagoniza bons momentos de riso, principalmente nas cenas que Tina Fey e Steve Carell estão juntos, ou seja, obviamente o filme todo, então rimos e ficamos aflitos o filme todo. Outro ponto que deve ser mencionado também, foi a excelente atuação de Mark Wahlberg, que interpretou Holbrooke,o rapaz rico, a quem o casal pede ajuda, e o dono do Audi R8, que Phil e Claire (Steve Carell e Tina Fey) roubaram, quando os detetives vão procurá-los na casa dele.

Nesse filme, os atores protagonistas, nos lembram Luis Fernando Guimarães e Fernanda Torres de Os normais, pois assim como no filme nacional, o casal passa por diversas aventuras juntos, e por novas experiências, em Uma noite fora de Série, entramos na ação e fazemos parte como personagem, pois de maneira tão interessante, o filme é conduzido que se torna convidativo a nos telespectadores. É uma ótima comédia para ser assistida com a namorada, esposa e repensar o relacionamento. Provavelmente a melhor comédia do ano em que foi estreada (2010), teve como concorrentes, o filme Gente Grande, Morte no Funeral e muitos outros, e foi muito bom surpreendendo os outros concorrentes.


                                                                                 Nota 9                                                                      

Informações sobre o filme :                                                     
Título : Date Night
Duração : 88 min
Gênero : Comédia Romântica
Direção : Shawn Levy
Elenco : Tina Fey, Steve Carell, James Franco, Mark Wahlberg

Crítica : O Dilema

Comédia dramática insistente, segue com o mesmo assunto
até o fim, sem desenvolvimento dele.

Ronny (Vince Vaughn) e Nick (Kevin James) são amigos de longa data e a amizade se estende até mesmo na vida profissional onde trabalham juntos. Embora o primeiro ainda tenha uma bela namorada (Jennifer Connely), foi Nick que se casou primeiro. A vida de ambos seguia seu rumo e tudo corria bem até o dia em que Ronny flagra a esposa do amigo (Wynona Ryder) com outro (Channing Tatum) e resolve dar uma de investigador particular. Agora, ele tem este pequeno segredo para contar ao grande amigo, mas não tem a menor ideia de como vai fazer e, pior, não 
sabe se deve revelar a verdade.

Uma coisa que eu adoro, principalmente quando estou de férias, é assistir diversos filmes. Para iniciar minha sessão pipoca, decidi inicia-la com O dilema, uma comédia dramática, que já esperava o que encontrei. Realmente achei o filme o máximo, mas não condizente com o seu gênero, comédia. Kevin James dessa vez, desempenha um bom papel. porém não tão bom. Vince Vauhn, carrega a comédia sozinho, pois as boas e poucas piadas são protagonizadas por ele.

O que sinceramente não me agradou, foi a atuação da Queen Latifah como secundária e coadjuvante, pois acho que diferente de Winona Ryder, ela faria um bom papel completando o elenco principal. A história é muito boa, e as relação incluídas também, como o apoio da Dodge e tudo mais que foi mostrado. O andamento do relacionamento dos personagens, as ligações. Porém tudo foi sempre repetitivo, pois o filme insistiu em um mesmo erro, que atrapalhou o desenvolvimento e o término do filme.

Primeiro erro, foi incluir o relacionamento ruim dos personagens de Winona Ryder e Kevin James, depois concluir o assunto, incluindo um relacionamento existente entre Ronny e Beth que mesmo ocorrendo antes de Nick conhecer Beth atrapalhou a amizade dos dois, e a insistência nesse assunto, além de incomodar, atrapalha o filme, principalmente em um término que não poderia ocorrer da maneira que o filme era levado. Errou também no fato, de não mostrar o término e o desfecho da vida de alguns personagens principais, como a da própria Beth (Winona Ryder), que até então roubava a cena no filme.

Outro ponto forte, foi a atuação de Queen Latifah, que mesmo sendo secundário tem boas piadas e arranca alguns bons sorrisos. Eu gostei do filme, pois além de demonstrar uma amizade verdadeira, desenvolve um assunto que é um dos meus favoritos, e nesse quesito desenvolve bem, o lado profissional de cada um, e o Vince Vaughn também atuou bem, principalmente no lado dramático do filme que é mais constante do que o lado comédia, que o filme prometia, porém o filme não prometeu, o que não cumpriu, mesmo com muitos erros, foi um filme bom, para assistir nas férias e dar algumas risadas.


                                                                                Nota 7                                                                      

Informações sobre o filme :
Título : The Dilemma
Gênero : Comédia
Diretor : Ron Howard
Elenco : Kevin James, Winona Ryder, Vince Vaughn
Duração : 102 min

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Crítica : Up - Altas Aventuras

E a Pixar novamente com seus espetáculos.

Carl Fredricksen (Edward Asner) é um vendedor de balões que, aos 78 anos, está prestes a perder a casa em que sempre viveu com sua esposa, a falecida Ellie. O terreno onde a casa fica localizada interessa a um empresário, que deseja construir no local um edifício. Após um incidente em que acerta um homem com sua bengala, Carl é considerado uma ameaça pública e forçado a ser internado em um asilo. Para evitar que isto aconteça, ele enche milhares de balões em sua casa, fazendo com que ela levante vôo. O objetivo de Carl é viajar para uma floresta na América do Sul, um local onde ele e Ellie sempre desejaram morar. Só que, após o início da aventura, ele descobre que seu pior pesadelo embarcou junto: Russell (Jordan Nagai), um menino de 8 anos.

E pixar novamente com suas aulas de um bom filme. A pixar é muito competente com seus trabalhos. A dremworks, concorrente mais próxima da pixar também tem ótimos e excelentes trabalhos, como Madagascar e muitos outros, mas no trabalho da pixar tem um toque especial. Magia, competencia, carisma e realismo. Na minha opinião são os pontos focos de uma animação. Chegou em 2009 com o emocionante Up Altas aventuras que obviamente foi o melhor filme de 2009, pelo menos no gênero animação. O filme Up ganhou vários incentivos, até mesmo da Disney. Que não teve muito tempo para uma divulgação mais pretenciosa com o filme que estreava em 2009, e incentivou e fez uma divulgação mais complexa com Up. E no mesmo momento, a Disney também incentiva a nova boa comédia com Adan Sandler, Um faz de conta que acontece.

Mesmo não sendo um concorrente direto, Um faz de conta que acontece, não prejudicou nem um pouco Up, que se sobressaiu e foi maravilhosamente espetacular. Com concorrentes diretos, no mesmo momento, a Pixar e o Filme Up, chegava as telas junto com Bolt - Supercão, que seria um apoio ao filme que também recebeu muito incentivo e divulgação da disney pois tinha como produtora a própria Walt Disney, mas nem mesmo Bolt conseguiu chegar próximo de Up. O filme traz como novidade a presença no elenco de um dos nossos excelentes e um dos melhores atores do nosso pais, Chico Anysio, interpretando o Sr Fedreckis na versão nacional do filme. 

Up - Altas aventuras, na minha opinião é a 3° melhor animação já feita. Primeiro, o excelente a Bela e a Fera e depois Nemo, e logo em seguida o excelente Up. Assim como nemo, Up, não deixa de ser uma parceria entre os estúdios Disney e Pixar. O filme como todos da Pixar, traz o realismo, a fantasia, a ilusão e tudo que um lindo filme possa reagir. Um sonho realizado, uma viagem a procura de um sonho. O que realmente é uma iverossímil fantasia que tem um toque de realidade. É um filme sensacional, despretencioso, e realmente sensacional. Vale a pena conferir por ser um ótimo e espetacular filme. Eu, ainda assisti quando o filme chegou na excelente HBO, e não me decepcionei, pois é muito emocionante e muito sensacional também.


                                                                                  Nota 10                                                                
Informações sobre o filme :
Título : Up 
Gênero : Animação
Direção : Pete Docter
Duração : 96 min
Elenco : Edward Asner, Chico Anysio, Jordan Nagai




quinta-feira, 23 de junho de 2011

Top 10 : Melhores Animações

Até o presente momento, nós críticos costumamos discutir bastante as melhores nesse meio, tanto é que o meio escolhido para todos demonstram suas opiniões foi criando tops, sob sua jurisdição, ou seja cada um colocando o que acha, entrando em consenso com todos da equipe. Nós do Cine manchete contribuímos a tal ação.

Realmente, até o presente momento, pelo menos pra nós do Cine Manchete, a Pixar é a melhor companhia para produções de animações, percebemos isso em tal experiência com os melhores filmes que quase todos, ocupam locais no pódio, confira :

10° Lugar
A Era do Gelo I

Realmente um dos causadores no interesse de animações, A era do gelo, tem três filmes denominados sequências continuando e desenvolvendo algo que ja era criado, o filme foi realmente um dos melhores e inesquecíveis, mas na décima posição, deixar o filme A era do Gelo 1.

9° Lugar
A casa Monstro

Venhamos a concordar que vendo fotos e trailles desse filme não despertou muito o interesse, realmente não foi algo como outros filmes do gênero, mas foi muito bom também. Além de animação, até seu término o filme acrescenta variados e diferentes gêneros e conseguem bom resultado. Tanto é que a ação e o terror estão presentes e muito bem feitos.

8° Lugar
Meu Malvado Favorito

Um dos melhores filmes de animações ja vistos. Amor, maldade e muita bondade misturada em um maravilhoso filme de comédia animação, que faz rir e chorar ao mesmo tempo, e pra mim um dos melhores filmes já feitos, totalmente sensacional.

7° Lugar 
Os Incríveis

E a Pixar conseguiu novamente mais um sucesso do cinema, o que é extremamente positivo, e demonstra qualidade nos seus trabalhos, que além de muito bem feito, muito divertidos. Uma comédia animada preparada para família e diversão do ínicio ao fim.

6° Lugar
Shrek Terceiro

Garanto-lhes que esse é o verdadeiro filme para chorar de rir, e se divertir a valer. Sabemos que o filme tem 4 sequências, com o último denominado Shrek Para Sempre, que é o desfecho dos 4 filmes de sucesso, Shrek Terceiro ainda rouba a cena e ser melhor que os outros da franquia.

5° Lugar
Carros

E eu digo dinovo. A pixar conseguiu novamente um outro lançamento e roubou a cena. Lembrando que hoje é a estréia de carros 2, porém até o momento o primeiro ocupa nossa quarta posição. O filme reune drama, amor ao trabalho e comédia misturados e proporciona um dos melhores filmes de animação para crianças e adolescentes e até mesmo adultos.

4° Lugar
Toy Story 

E eu vou repetir : A pixar é a melhor e conseguiu de novo um ótimo e excelente filme, que assim como Shrek tem diversos na franquia, mas o primeiro consegue roubar a cena, e ser o melhor, até mesmo em toy story e pela realidade e pelo sentimentalismo dos personagens e as emoções verdadeiras que eles expressam, é um maravilhoso filme com drama, ação, aventura e tudo o mais, um dos melhor, demonstrando o que a Pixar é capaz.

3° Lugar
Up - Altas Aventuras

Up, mostrando o excelente trabalho Pixar novamente. Up um filme que carismático e muito bom, mostra uma história iverossímil, assim como todas, quase todas animações, o filme é sensacional misturado variados gêneros e demonstrando um maravilhoso trabalho. Up, realmente nos fez ir a altas aventuras.

2° Lugar
Procurando Nemo

Procurando Nemo, umas da melhores animações já feitas e claro, com a excelente e a melhor Pixar. Um dos primeiros filmes de sucesso da Pixar, Procurando Nemo é totalmente dramático, engraçado e totalmente sensacional e um dos filmes que realmente marcaram minha infância. Um dos melhores, senão o melhor. Nesse filme, conferimos o realismo dos personagens da pixar, e o sentimentalismo deles, e também a ótima qualidade de trabalho desta, tanto é que o imagem do filme é sensacional, sem dúvida, meramente perfeito.

1° Lugar
A bela e a Fera

Magnifico, estupendo, perfeito, sensacional, emocionante, o Melhor. A bela e a fera, até hoje foi um dos poucos filmes que me fez chorar, e ver um amor verdadeiro, onde mesmo sendo diferentes o amor não é impossível. O amor ultrapassa qualquer barreira, é meramente um filme maravilhoso, sensacional e a melhor animação de todas. Sem dúvidas, o talento Pixar não foi suficiente para fazer um filme como esse, a Disney mesmo com poucos trabalhos tão bons quanto os da Pixar, conseguiu fazer um que demonstrou-se o melhor. Sensacional.

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Crítica : Sempre ao seu Lado

Drama com Richard Gere, consegue ser tocante
e muito emocionante e também uma Lição de vida.

Parker Wilson (Richard Gere) é um professor universitário que, ao retornar do trabalho, encontra na estação de trem um filhote de cachorro da raça akita, conhecido por sua lealdade. Sem ter como deixá-lo na estação, Parker o leva para casa mesmo sabendo que Cate (Joan Allen), sua esposa, é contra a presença de um cachorro. Aos poucos Parker se afeiçoa ao filhote, que tem o nome Hachi escrito na coleira, em japonês. Cate cede e aceita sua permanência. Hachi cresce e passa a acompanhar Parker até a estação de trem, retornando ao local no horário em que o professor está de volta. Até que um acontecimento inesperado altera sua vida.

Antes de tudo, tenho o prazer de dizer, que esse filme é o primeiro filme dramático que criticamos aqui no Cine Manchete. É estranho, porém, não temos críticos suficientemente preparados para chorar, ficar com medo e etc. Estamos em busca. Porém, por enquanto, eu Gabrriel, sou um crítico especializado em filmes de comédia, adianto que, não é o único motivo, é que sou totalmente frágil para chorar filmes inteiros e se assustar, e porque não gosto de filmes de terror. Mas, comecei atualmente a me especializar em críticas de filmes dramáticos também. Para ser um dos primeiros Dramas a criticar, escolhi Sempre ao seu Lado, e a partir disso, iremos começar a fazer críticas de filmes dramáticos também.

O que me agradou bastante, foi a aparência de competência no trabalho dos produtores brasileiros, que enfim colocaram um nome decente no filme. O filme chegou no Brasil como Hachiko : A Dog Story (Hachiko: A história de um cachorro), porém concordo que ia ter uma bela impressão de Sessão da tarde e não sei com qual motivo, os produtores nacionais optaram por Sempre ao seu Lado, que combina mais com o gênero e o modo do filme.

Sempre ao seu Lado, tem uma história real totalmente comovente. Elenco bom, atuações fantástica, destaque para Richard Gere como protagonista. Melhor que seus concorrentes. Sem dúvida muito melhor que Marley e Eu, e outros filmes de afeto entre donos e animais. O filme é uma verdadeira lição de vida, pois demonstra que animais, assim como nós, têm sentimentos e sabem demonstrar eles, porém não sabem ir contra esses sentimentos. O problema, é a mídia e até mesmo a produção do filme, que não souberam divulgar um filme tão bom como esse.

Quando digo divulgar, digo de forma que todos conhecessem e se impressionasse pela história, mas ao contrário, o filme passou despercebido. A lealdade, o afeto, amor, carinho, respeito e saudades, são assuntos muito bem retratados pelo filme. A história de Hachiko virou lenda no Japão, tanto é que o mesmo ganhou até uma homenagem na estação de trem, com uma estátua representando-o.

Acredito, que na parte de alcançar os objetivos, o filme foi sensacional, pois alcançou sues objetivos, e fez aquilo que devia ter feito. Uma versão estadunidense de uma história real, fazendo aquilo que segundo a mídia e os fatos comprovaram ter ocorrido, porém não prestaram atenção em uma coisa. O filme se torna cansativo em alguns pontos, e demonstra ter uma duração bem extensa, o que é grave para um filme de 92 minutos, e sem falar as repetições constantes de cenas semelhantes. O tempo se passa, e chega um ponto do filme, que só mostra o cachorro na estação e vai mudando, até passar 9 anos, o que pra mim é mal retratado pelo filme, porém ocorreu. Mesmo tendo esses erros, o filme não foi tão prejudicado e até se saiu bem.


                                                                             Nota 8                                                                         

Informações sobre o filme :
Título : Hachiko : A dog Story
Direção : Lasse Hallstrom
Elenco : Richard Gere, Sarah Roemer, Joan Allen
Gênero : Drama
Duração : 92 min

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Crítica : Morte no Funeral

Comédia boa tem bons momentos, mas não consegue
ser melhor que as Concorrentes.

Aaron (Chris Rock) é casado com Michelle (Regina Hall) e ainda vive na casa do pai. Quando o pai morre cabe a ele, por ser o filho mais velho, cuidar do funeral. Apesar da tristeza diante do ocorrido, Aaron busca forças para recepcionar os parentes, entre eles seu irmão Ryan (Martin Lawrence), um famoso escritor. Só que, desde o início, vários incidentes ocorrem durante o funeral. Mas o pior ainda está por vir, quando surgel Frank (Peter Dinklage), um anão misterioso que ninguém sabe o porquê de estar ali.

Aqui no Brasil, o filme foi largado direto em DVD. Na minha opinião, foi até boa idéia, pois se fosse pro cinema seria um fracasso de bilheteria. Acho também que os produtores devem muito as locadoras e também bastante aos canais HBO e outros que transmitiram esse filme. Como disse quando vi Idas e Vindas do amor, não adianta ter um bom elenco, e ter uma história desinteressante, roteiro fraco e muitas outras caracteristícas negativas. Eu realmente assumo brevemente que só assisti pois adorei o elenco, principalmente pelo Danny Glover.

Em relação ao filme, é uma comédia bem interessante, e as atuações são ótimas, mas acho que os protagonistas não souberam conduzir muito bem o filme. Loretta Devine, não teve a oportunidade de demonstrar seu trabalho, devido a sua personagem, que no caso, era esposa do falecido e estava muito indignada com o acontecimento. Na minha opinião, já não era novidade, Martin Lawrence e Chris Rock também não tiveram bom desempenho, mesmo sendo protagonistas. O Chris Rock, na minha opinião teve a pior intepretação de sua carreira, e o Martin Lawrence também impressionou pela sua ruim atuação.

O que foi positivo em relação as atuações, foi o Tracy Morgan, James Marsden e outros, que complementaram o elenco. A atuaçãod e Danny Glover, como ja era de se esperar, foi realmente sensacional, muito hilária, protagonizando os melhores momentos de comédia do filme. O ator que interpretou o anão, também foi realmente sensacional. Ponto para a direção que protagonizou e nos proporcionou  um bom filme.


                                                                               Nota 7                                                                       

Crítica : Imagine Só !

A hilariante comédia que toda família vai adorar.

Um executivo do mundo das finanças, incapaz de reverter o rumo decadente que sua carreira tomou, é convidado a penetrar no mundo imaginário de sua filha, onde ele encontra a solução para seus problemas.

Antes de tudo, é necessário adiantar que não é uma comédia como As branquelas, Esposa de Mentirinha ou outras do gênero. É uma comédia bem preparada para o Eddy Murphy, É como se fosse a Creche do Papai, que o mesmo atuou, divertindo adultos e crianças. Dessa vez Murphy volta com um filme um pouco iverossímil, e bastante real. É indíscutivel, que dificilmente encontraríamos soluções dos nossos problemas profissionais com as brincadeiras das nossas filhas.

Apesar de um assunto, que eu julgo desinteressante, o filme tira boas risadas em algumas cenas. Inicialmente receberia um título que para mim é mais cabível ao filme, melhor que Imagine Só, o filme seria Minha filha é um sonho, mas não sei porque não tiveram criatividade o suficiente para colocar um nome melhor. Digamos que incrivelmente, é um filme emocionante, despretencioso e bem inocente. Demonstra a pureza contida nas crianças e a inocência e até mesmo a carência que elas têm.

Realmente não é surpreendente, mas é gostoso de assistir com a família em um dia tedioso. Um filme realmente bom, porém muito mediano.


                                                                            Nota 5                                                                        

Informações sobre o filme :
Titulo : Imagine That
Direção : Karey Kirkpatrick
Gênero : Comédia
Duração : 107 min
Elenco : Eddie Murphy, Ronny Cox, Yara Shahidi

Crítica : Loucas por Amor, Viciadas em Dinheiro

Filme Sensacional, consegue Tirar boas risadas.

Bridget Cardigan (Diane Keaton) é uma dona de casa dedicada, que é surpreendida ao saber que pode perder sua casa e seu confortável estilo de vida quando seu marido, Don (Ted Danson), é rebaixado de posto em seu trabalho. Tentando evitar que isto aconteça, ela consegue um trabalho como zeladora no Federal Reserve Bank. Lá Bridget rapidamente se torna amiga de Nina Brewster (Queen Latifah), mãe solteira que tem dois filhos para criar, e Jackie Truman (Katie Holmes), uma jovem que nada tem a perder. Cansadas de serem sempre subestimadas, Bridget, Nina e Jackie decidem unir esforços para um plano ambicioso: assaltar o banco.

Você assistir um filme por acaso e ele ser um dos melhores que já assistiu é algo muito bom. Obviamente, um filme com tema convidativo, elenco bom, e boa história é um filme bom. Em Loucas por amor, viciadas em dinheiro, podemos encontrar uma comédia inocente, com pitadas de aventura. Eu, sinceramente ri demais com esse filme, mas o ponto forte do filme, não é nem comédia e nem o elenco, que acreditem, também são sensacionais, mas é a história e o desenvolvimento dela.

 A realidade contida em cada fato e como são expressados é algo muito legal, e o que faz o filme ser muito bom. O filme é apresentado como comédia, e para quem acompanha minha críticas sabem, que nunca dou notas altas para comédias, que não me façam rir constantemente, porém esse filme mesmo me fazendo rir em alguns momentos, não é bem isso que me fez adorar o filme, mas a história, as atuações e tudo o mais.
Eu nunca tive nenhum tipo de preconceito com nenhum tipo de filme, apenas acho vulgar filmes serem apelativos em todos os momentos, como O dono da Festa, American Pie e outros fiilmes adolescentes que usam a apelação como meio de agradar o público. Nesse filme, a apelação é inexistente, e nem é apelativo por coisas banais também, e mesmo assim consegue ser um ótimo e surpreendente filme. Sem dúvida, é um filme muito criativo, e o desempenho do trio principal é algo surpreendente. 

Queen Latifah, Diane Keaton e Katie Holmes, são perfeitas e super felizes em suas atuações, e a junção das personagens delas, também deixa o filme sensacional, pois uma é a mãe superprotetora, que faz tudo pensando nos filhos, outra casada, preocupada com sua condição financeira e sempre na moda ou coisas do tipo e a outra uma singela mulher casada, que curte a vida de maneira adolescente e etc. A forma que as três se comunicam, os gestos que fazem para se comunicar e os encontros á escondida no banheiro é muito engraçado, inclusive nos momentos em que fica vísivel as três fazendo o sistema para ganharem o dinheiro, elas se saem muito bem.

O trio masculino também é muito bom, e os 6 juntos ficam ótimos, em maravilhosas atuações. Roger R. Cross, Adam Rothenberg e Ted Danson têm ótimas atuações, ´porém na minha opinião, por influência das atuações femininas. Mas, no término, o filme é sensacional, muito engraçado e com uma história muito boa também e o modo que esta foi desenrolada impressiona mais ainda. Filme muito bom, vale a pena assistir.


                                                                          Nota 10                                                                           

Título original: (Mad Money)
Lançamento: 2008 (EUA)
Direção: Callie Khouri
Atores: Diane KeatonTed DansonKatie Holmes, Adam Rothenberg.
Duração: 104 min
Gênero: Comédia

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Crítica : Imaginem Só !

Filme Teen Simples, consegue ser Menos Chato
que os Concorrentes.

Mandy é convidada para a melhor festa do ano pelo garoto mais popular da escola. Existe, porém, um pequeno problema. A menina está de castigo. Para deixá-la estudar com as amigas, o pai lança mão de um recurso: o uso da câmera do celular. E, de 30 em 30 minutos, verifica onde a filha está. Agora, Mandy e suas colegas terão de botar a imaginação para funcionar. Do contrário, vão deixar o coroa irritado se acaso toparem ir a tal balada.

Filme totalmente voltado ao público adolescente. Totalmente despretencioso, o filme tem bons momentos e garante algumas pequenas risadas. Diferente de em High School Music, Tisdale, inclusive faz um bom papel. Diferente, daquela chatinha de High School Music, Ashley como protagonista, consegue levar o filme nas costas do começo ao fim. Faz um bom papel, tem uma história convincente, e impressiona bastante. 

Eu nem ia ficar vendo esse filme, mas quando percebi que o filme estava legalzinho, e convencia decidi dar uma conferida. É um filme realmente muito simples, que não houve muita divulgação da imprensa por ser um filme simples e filmeco pura sessão da tarde. É a típica realidade, da menininha atirada que quer curtir sua adolescência, mas é impedida por seu pai chato superprotetor. E o pai da um celular a ela, que : para poder acompanhar onde está e tudo o mais e a menina, cada vez que o pai liga, consegue convecê-lo de que está realmente fazendo trabalhos com as amigas, mas ao contrário, está curtindo a vida, passeando em shoppings e etc. Nesses momentos que captamos os momentos mais engraçados do filme.

O filme é bem curto, 92 minutos e consegue desenvolver uma história legal. Eu falei muito bem do filme, mas é muito melhor do que se esperava, mas quando uso o "melhor" não digo melhor, como "melhor comédia romântica", mas melhor comédia teen. O filme é despretencioso e consegue convencer. Mas não é nada muito surpreendente. Como não era de se esperar, o que almejava eles decidiram enviar o filme direto em dvd, pois caía entre nós, se fosse para o cinema, seria um fracasso de Bilheteria, mas como não foi pro cinema, até que foi bom e não decepcionou.


                                                                              Nota 5                                                                       

Informações sobre o filme :
Título : Imaginem Só !
Gênero : Comédia Romântica
Duração : 92 min
Distribuidora : Fox Film
Direção : Stephen Herek
Elenco : Ashley Tisdale, Kevin Pollak, Robbie Amell

Crítica : Vovó...Zona 3

O filme foi útil para alguma coisa. Útil para demonstrar que
esse pode ser o fim de A vovo...zona.

O jovem Trent (Brandon T. Jakcson) só queria saber de se tornar um rapper, mas seu padrasto, o agente do FBI Malcolm (Martin Lawrence) tem planos mais ambiciosos para ele. Só que o rapaz atrapalhou uma investigação e acabou testemunhando um assassinato. Agora, os dois precisam encontrar um importante pen drive para botar o tal criminoso na cadeia, mas o arquivo está escondido numa escola de artes cênicas somente para garotas. Chegou a hora de Vovózona (Lawrence) entrar em cena e, agora, acompanhada de sua sobrinha-neta Charmaine (Jackson).

O incrível foi que eu gastei meu dinheiro para ver isso. Esse filme deveria ter parado no segundo que era o mais descentes, mas não deveria partir para esse terceiro. Em primeiro lugar, esse filme denegre a imagem de atores afro descendentes. Martin Lawrence nunca foi lá esses atores bons. Fez sucesso em que filme ? Bad Boys ? Em Bad Boys, Lawrence apenas obteve sucesso pela excelente atuação de Will Smith, e ele só faz sucesso em seus filmes pela a ajuda que recebe dos complementos do elenco. Em Morte no Funeral, seu penúltimo filme, Lawrence até fez um bom trabalho, porém obteve sucesso pois o filme era bonzinho e o elenco também.

Só que desta vez, os "complementos" de seu filme, não eram experientes e não lhe deram segurança necessária para fazer um bom filme. Brandon T.Jackson, o astro de Percy Jackson e o Ladrão de Raios, é protagonista ao lado de Lawrence. Em primeiro lugar, insistir no mesmo erro não vai lhe garantir sucesso. Vovo...zona 1 e 2 foram boas, mas entre as duas, teve uma pequena regressão, já na continuação, a regressão foi maior. O longa não convence, realmente, decepciona. No dia, deixei de ver o excelente Esposa de Mentirinha, para ver esse filmeco. Por pior que seja, o filme consegue ser pior que outros da carreira do comediante, ou seja, pior que o filme em que Lawrence contracena com Raven Simoné. O filme passa a ser um pouco bom, após eles chegarem na escola de artes cênicas, onde Brandon e Lawrence estão já transformados em mulher e até proporciona algumas poucas, mas boas risadas. Em relação aos números musicais, são péssimos, constrangedores. 

Falta naturalidade aos protagonistas, principalmente ao Brandon T.Jackson que consegue ser pior que no Percy Jackson e o fracasso de Lawrence já era de se esperar. Felizmente em algumas cenas eles conseguem esconder o que mostraram no filme todo : a monotonia, e são essas cenas que salvam o filme do sono profundo, pois eu estava quase abandonando a sala, pois ja estava uma situação cômica. Direção péssima, e roteiro pior ainda. Faltou ao filme, maturidade, naturalidade, bom roteiro e melhor condução dos atores. Mas o mais incômodo do filme, foi realmente a fugida do gênero principal, a Comédia, voltando apenas ou chegando, quando eles chegam a escola. Pois há mmais momentos de ação do que de comédia, e isso incomoda. Mas, apesar de tudo, deu para dar umas boas risadas. Mas como os outros anteriores, Pura sessão da Tarde !


                                                                                                           Nota 5                                                                                                

Título original: (Big Mommas: Like Father, Like Son)
Lançamento: 2011 (EUA)
Direção: John Whitesell
Atores: Martin Lawrence, Jessica Lucas, Brandon T. Jackson, Michelle Ang.
Duração: 107 min
Gênero: Comédia