terça-feira, 24 de maio de 2011

Crítica : Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte I

Filme aposta em maturidade do trio principal e consegue
de forma positiva, a junção de diferentes gêneros, sem fugir do Objetivo.

Prestes a completar 17 anos, Harry Potter (Daniel Radcliffe) precisa ser transportado da casa dos seus tios, os Dursley, até um local seguro. Lorde Voldemort (Ralph Fiennes) e seus comensais da morte sabem que a transferência está prestes a acontecer e aguardam sua realização para atacar. Para que ela ocorra vários amigos de Harry, como Rony Weasley (Rupert Grint), Hermione Granger (Emma Watson), Remo Lupin (David Thewlis), Hagrid (Robbie Coltrane) e "Olho-Tonto" Moody (Brendan Gleeson), tomam a Poção Polissuco e assumem a forma física de Harry. A intenção é despistar Voldemort sobre quem é o Harry verdadeiro, de forma que ele possa chegar seguro à Toca, casa dos Weasley. A missão é bem sucedida, mas logo a situação se torna ainda mais perigosa. O Ministro da Magia Rufus Scrimgeour (Bill Nighy) é morto e, em seu lugar, assume um dos asseclas de Voldemort. Harry e seus amigos passam a ser caçados impiedosamente, obrigando que ele, Rony e Hermione fujam. Precisando mudar constantemente de lugar, eles elaboram um plano para encontrar e destruir as horcruxes que podem eliminar Voldemort de uma vez por todas.

Acredito que criticar um filme que é uma continuação, ou criticar um filme que já vem de década é algo complicado, que somente os fãs que acompanham desde o iniciam são capazes de fazer. Nem mesmo o cinéfolo mais turrão ou o melhor é capaz de criticar, se não acompanhou o desenvolvimento do epílogo. Bom, como sou fã do epílogo acho que tenho essa capacidade. Uma missão muito díficil é o deixar de ler e o deixar de acompanhar o filme, porque depois de 10 anos, largar facilmente é algo díficil. Choramos, e achamos difícil desapegar a algo que foi nosso amigo durante 10 anos. E um dos motivos de ter 2 partes o final, não foi apenas pra lucrar mais, mas pensando no público e em seus sentimentos em relação ao término do epílogo.

Outros blogs foram muito incultos e muito tolos em afirmarem que a decisão de dividir o filme em 2 partes foi graças as "intenções mercadológicas da Warner Brows". Eu discordo, acho que foi por diversos fatores : Pensando nas lamentações do público em relação ao término do epílogo, duração que o filme teria se fosse só 1, e também o ganho de lucro.

Como qualquer empresa, a Warner Brows depois de nos garantir 10 anos de pura aventura decentemente em filmes, merece sim um lucro em relação a isso, pois eles trabalham, e não tem obrigação de agradar ninguém. O trabalho deles é produzir o filme e garantir que esse obtenha sucesso para eles obterem lucro, não são obrigados a se preocuparem com desagrado do público e nem nada, pois já foge do trabalho deles.
E, dificilmente, não impossível, a Warner Brows não conseguirá tal sucesso com outro epílogo, (como conseguiu com Harry Potter) tão rapidamente. E isso, já é um prejuízo. Mas, mesmo assim eles deverão lhe dar com essa situação, e tentarem fazer algo que renda assim como rendeu o Harry Potter, mas é algo muito díficil.

Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 1 : Uns dizem ser o melhor da saga, outros dizerem ser o que rendeu menos, em diversos fatores. Mas é o seguinte vendo o filme de diferentes visões : Se você lê o livro e assiste o filme você irá compreender o filme totalmente, pois o livro detalha muito as coisas, e tem tudo completo, já os filmes pula muitas partes e não dá para ter compreensão total daquilo que está assistindo. Então se você só vê o filme, dificilmente entenderá aquilo que está assistindo. Um claro exemplo são as presenças de Dobby. No livro, suas presenças são frequentes, não só no 2° e 7° filme, mas em quase todos os livros. Já no filme, esse só aparece  no segundo e no sétimo filme.

A indiscutível situação, é retratar o término da saga tão próximo da estréia de sua continuação. Em relação aos Relíquias Parte 1, acredito que sendo comparado com outros filmes, digamos que regrediu em alguns pontos e progrediu em outros, mas realmente não foi melhor que o 5° filme da saga. Falta mais efeitos, porém os poucos que têm, são de altíssima qualidade. O elenco, conseguiu progredir e se desenvolver desde o primeiro filme, já no sétimo, já estavam experientes e mais a vontade, o que atrapalha um pouco o desenvolvimento de todos do elenco. Também posso adiantar que a segunda parte promete ser ainda mais fraca, pois na primeira parte foi adiantado muito os assuntos, deixando pouco para o término.

Em relação a conteúdo, acho que foi um conteúdo melhor retratado, pois agora eles já estão mais maduros e vivendo suas aventurar fora dos muros superprotetores de Hogwarts. A atuação do trio protagonista evoluiu bastante, progrediu comparado a HP 1 ou 2 que ambos eram menos preparados. Para quem não leu o livro, compreender o início já é algo muito díficil. Reunião dos comensais da morte, morte da professora Caridade Burbage, implorando ao Severo e etc. A história se torna muito mais interessante e com incessante aventura, o que é realmente legal, porém temos muitos momentos de falta de compreensão, (não no meu caso, pois li o livro), e muitos outros erros que merecem ser revistos na continuação da saga.


                                                                            Nota 9                                                                       

Informações sobre o filme :
Título : Harry Potter and the Deathly Hallows - Parte I
Direção : David Yates
Elenco : Daniel Radcliffe, Emma Watson, Rupert Grint
Gênero : Suspense/ Drama/ Fantasia/ Aventura
Duração : 146 min


Crítica : As Férias da Família Johnson

Filme com Cedric The Entertainer não decepciona,
mas podia ser muito melhor.

Uma família muito incomum tenta sobreviver a obstáculos incríveis em uma jornada através do país rumo a um encontro anual de família. No caminho, terão que enfrentar um caminhoneiro psicótico, darão carona a um aficionado por feitiçaria e irão "desmascarar" os perigos de uma banheira de um.estranho hotel

É um bom filme, mas podia ser muito melhor. Uma comédia no estilo Humor Negro sempre consegue impressionar e no caso, com uma ótima história, sobre férias e viagem resultaria em um bom filme, mas resultou em uma comédia boa, que podia ser melhor.

Durante o percurso os personagens passam por momentos engraçados, como a negação de carona para a freira e a carona dada aquela louca do filme. Em outros momentos, também consegue tirar algumas boas risadas, mas não o suficiente para vê-lo no cinema, em 2004.

Acho que aguardar e ver na televisão seria melhor, e eu prefiri essa opção e não me decepcionei, pois assisti deitado em um dia de frio, coberto. Então o filme é bem preparado para isso, para assistir deitado em um dia frio acompanhado de um letinho com Toddy quente. Das comédias Humor Negro, 
essa é uma boa opção, mas não a melhor, mas boa.

O elenco é bom, porém para um filme desse gênero, outro elenco faria um filme melhor, na minha opinião um elenco mais preparado e experiente nesse gênero. Talvez Queen Latifah e Ice Cube, seriam bem vindos como os protagonistas, mas mesmo assim a atuação de Cedric the Entertainer é muito boa, e ele conduz o filme "praticamente" sozinho, pois o resto do elenco não se demonstra tão desempenhada quanto ele, e então até a parte da reunião de família, ele leva o filme nas costas sozinho, pois até então a atuação dos outros era um pouco fútil, um pouco leve demais, poderia ser melhor e nisso Cedric the Entertainer, mesmo quase sozinho, consegue fazer com que o filme seja um pouco melhor do que podia ser. E assim, a comédia é conduzida.

E no término, a junção do resto do elenco (a familia do personagem principal) também se desepenha muito bem, com suas atuações nas partes finais e o tio do personagem, mesmo com aparições inotáveis, faz um papel sensacional, ri demais. Ele arrumando o carro, dançando com a namorada e também adorei quando o personagem aciona a trava elétrica e as partes do carro começa a cair. Enfim, é uma comédia muito leve, mas muito boa.

TRAILLER NÃO DISPONÍVEL

Informações sobre o filme :
Título : As férias da família Johson
Gênero : Comédia
Duração : 110 min
Elenco : Cedric the Entertainer, Bow Wow, Wanessa Willians, Solange Knowles
Direção : Christoper Erskin
Ano : 2004

                                                                              Nota 6                                                                     


segunda-feira, 23 de maio de 2011

Bomba : Se Beber, Não case II pode não Ser mais Lançado

Faltando Apenas 4 dias para o Lançamento no Brasil,
filme pode não ser lançado por problemas na Justiça

Sequência de um dos considerados um dos melhores filmes da década pode não ser lançado mais. Infelizmente, a Warner Brows tenta, e ainda está tentando solucionar o problema para que o filme seja lançado na data prevista , mas por enquanto a notícia é de que o filme não seja mais lançado.

A Warner Bros. está com uma pequena grande dor de cabeça nesses últimos dias. O estúdio por trás do filme Se Beber Não Case 2 tenta agora ganhar uma briga judicial para poder exibir a comédia nos cinemas americanos. Isso porque Victor Whitmill, tatuador do ex-boxeador Mike Tyson, está processando a Warner por uso comercial de uma tatuagem de sua autoria que agora está estampada no rosto do personagem de Ed Helms (foto ao lado) e que foi criada especialmente para o próprio Mike Tyson.

Segundo a revista The Hollywood Reporter, a Warner garante que a tatuagem do personagem não constitui qualquer infração de copyright do tatuador que, por sua vez, exige na Justiça que a Warner não consiga distribuir seu filme, programado para estrear nesta próxima sexta-feira (27) nos cinemas. A decisão da Justiça americana deve ser tomada esta semana.

A lembrar que Mike Tyson foi a participação especial do primeiro Se Beber Não Case

Na minha opinião, de mero telespectador e mero crítico e cinéfolo, acho uma situação dessas lamentável, sem dúvidas. Em primeiro lugar, isso não passa de marketing e interesse de ganhar dinheiro na Justiça. em relação ao tatudor. Ele foi muito esperto e programou tudo. Agora pensem e tentem responder
, o porque ele só foi divulgar, e correr atrás disso dias antes da estréia do filme ? Obviamente para prejudicar o filme e ganhar um dinheiro pra Calar a Boca, e pelo menos deixar o filme ser lançado. Seria vergonhoso, não conseguir a meta : lançar o filme na data prevista por problemas na justiça e envolvendo um bom dinheiro nisso. É uma situação muito complicada : pois de algo pessoal, isso acaba influenciando em muitas coisas e envolvendo nós, telespectadores que não temos nada a ver com a situação e acabamos saindo prejudicados, junto com a Warner Brows, que fará de tudo para arranjar um jeito de ao menos, conseguir lançar o filme na data prevista.

Segundo inforamções, o filme não será lançado, e se for não será na Data Prevista, totalmente rídiculo uma situação dessas, e totalmente lamentável e até vergonhosa, pois demonstra o caráter de uma pessoa que faz tudo por dinheiro, inclusive prejudicar trabalho alheio.

Atenciosamente, Gabrriel. Fique atento a Novas Informações, que poderá chegar ainda Hoje  !

A Tatuagem do Rosto de personagem (acima), que causou a Confusão.

Crítica : Se Beber, Não Case !

Uma das Melhores comédias das últimas décadas,
Se beber, não Case surpreende e arrasa em Melhor comédia de 2009

Doug Billings (Justin Bartha) está prestes a se casar. Stu Price (Ed Helms), um dentista que planeja pedir a namorada em casamento, Phil Wenneck (Bradley Cooper), um professor colegial entediado com o matrimônio, e Alan Garner (Zach Galifianakis), seu futuro cunhado, são seus melhores amigos. O trio organiza uma festa de despedida de solteiro para Doug, levando-o para Las Vegas. Lá eles alugam uma suíte e têm uma noite de grande badalação. Na manhã seguinte os três acordam sem ter a menor idéia do que aconteceu na noite anterior. Eles sabem apenas que Stu perdeu um dente, há um tigre no banheiro, um bebê no closet e Doug simplesmente desapareceu. Para descobrir o que ocorreu, eles tentam juntar as memórias e reconstituir os eventos do dia anterior.

Estar criticando um bom elenco, porém um pouco desconhecido, Se beber, não Case de Todd Philips, aposta em uma história muito convidativa  engraçada. Ressaca, casamento,  e várias misturas, resultam no melhor filme de 2009. O filme tem ótimos figurinos, ótimas passagens e bom desempenho. E também, é um filme muito engraçado, até mesmo com o cinismo de Bradley Cooper no filme, pedindo dinheiro para arrecadar para levar para Vegas, ou para o amor de Zac Galifianakis por bêbes e também o bebê se masturbando, são os pontos fortes do filme. O filme é muito engraçado, e por isso foi tão falado e trouxe tantas críticas positivas antes de sua estréia.

Os outros atores, no caso Justin Bartha e Ed Helms, infelizmente não tiveram oportunidade de demonstrarem seus trabalhos, pois percebi que, no caso de Ed Helms, seu personagem prejudica a imagem do ator, pois o personagem é aquele costumeiro, chato do filme e isso incomoda em algumas cenas. Já com Justin Bartha, a frase "não conseguiu demonstrar sua capacidade", foi ao pé da letra, pois este participou apenas do início e do final do filme, então diferente dos outros, não teve muito tempo para mostrar sua capacidade (veremos em Se beber, Não Case 2). Ed Helms, é Stu (talvez o personagem principal de Se beber, Não case 2), o preocupado com sua esposa e sua relação, mesmo sendo traído por ela com um Barman, e mesmo assim este não contou sobre ir a Vegas para a sua esposa, mas no final tudo acaba sendo descoberto. Menos o ocorrido na noitada do grupo, o que torna o filme mais legal ainda.


Já Zac Galifianakis e Bradley Cooper, são os pontos fortíssimos do filme. Em cenas como : o bebê de óculos, a parte do chute do celular do menininho gordinho, a parte da mercedes no posto de gasolinha são as melhores cenas, e protagonizadas por Zac; já Bradley Cooper traz em suas cenas as reais atitudes de um aproveitador, cara de pau. Em sua arrecadação de dinheiro para a sua Viagem, dirigindo o carro de polícia e na Negociação com a Polícia, Bradley deixa muito vísivel as características de seu personagem, e isso é muito bom. Pois os personagens encarnam muito bem os personagens e os interpreta de forma excelente.


O filme é sensacional, assim como As Branquelas ou Um Parto de Viagem, e nem mesmo alguns pequenos erros prejudicou desempenho do filme, deixando-o ser a melhor Comédia de 2009. Mas mesmo sendo a melhor comédia de 2009 não significa ser nota 10, pois filmes com erros tão vísiveis, mesmo sendo bom, merece uns pontos a menos, nada que mude minha opinião em relação ao filme.


                                                                              Nota 9                                                                    

Informações sobre o filme :
Título : The Hangover
Elenco :  Bradley Cooper, Zac Galifianakis, Ed Helms, Justin Bartha
Direção : Todd Philips
Gênero : Comédia
Duração : 100 min


domingo, 22 de maio de 2011

Ranking : 25 Melhores Personagens da História do Cinema

A revista Empire fez a lista dos 100 melhores personagens da história do cinema, e a classificação dos 25 primeiros ficou assim:
  1. Tyler Durden – “Clube da luta”
  2. Darth Vader – “Star Wars”
  3. Coringa – “O cavaleiro das trevas”
  4. Han Solo – “Star Wars”        
  5. Hannibal Lecter – “O silêncio dos inocentes”
  6. Indiana Jones             
  7. Jeffrey Lebowski – “O grande Lebowski”
  8. Capitão Jack Sparrow – “Piratas do Caribe”
  9. Ellen Ripley – “Alien”
  10. Vito Corleone – “O poderoso chefão”
  11. James Bond
  12. John McClane – “Duro de matar”
  13. Gollum – “O senhor dos anéis”
  14. Exterminador – “O exterminador do futuro”
  15. Ferris Bueller – “Curtindo a vida adoidado”
  16. Neo – “Matrix”
  17. Hans Gruber – “Duro de matar”
  18. Travis Bickle – “Taxi Driver”
  19. Jules Winnfield – “Pulp Fiction”
  20. Forrest Gump – “Forrest Gump”
  21. Michael Corleone – “O poderoso chefão”
  22. Ellis ‘Red’ Redding – “Um sonho de liberdade”
  23. Harry Callahan – “Perseguidor implacável” (Dirty Harry)
  24. Ash – “A morte do demônio”
  25. Yoda – “O império contra-ataca”
Análise feita pela Revista Empire





Porque Marcantes da Época ?


É díficil dizer quais todos os atores marcantes da época. Mas nos perguntamos porque são marcantes. Podemos dizer que :

                                                                     * Qualidade do Trabalho*                                                       
Podemos dizer que um dos pontos de serem marcantes é realmente a qualidade do trabalho. A qualidade do trabalho de diversos atores é algo que os deixam ser marcantes e serem importantes pro cinema. Quando dizemos que são competentes, queremos dizer que atuavam de forma extremamente inteligente e trabalhavam extremamente decentemente. Fizeram sua marca, atuando de forma sincera, e inocente, fazendo seu trabalho. Fazendo ou atuando em filmes marcantes como se estivesse na realidade de suas vidas reais e pessoais, trabalhando de forma inteligente, mostrando seu verdadeiro potencial.

                                                                  *Atuação em Filmes Marcantes*                                                
Atores decentes, se concordam comigo, não são aqueles que são bons por o filme em que atuaram, mas sim pelo seu trabalho único e não coletivo, pois quando somos marcantes e bons atores por trabalho coletivo, não somos marcantes e nem bons o bastante para sermos marcas, mas sim o filme e o trabalho de todos. Isso pode contar na sua ficha de trabalho, mas o crédito é coletivo, não o mesmo do que um crédito único, que o deixa e mostra que é uma pessoa extremamente competente.

                                                                            *Ganho de Prêmios*                                                           
Ganhar Oscars ou outros prêmios, mostra que´o ator é competente, mas não marcante. Ganhar prÊmios não significa que você é um marco, mas significa que é competente. Já é um bom passo. Mas, agora vejamos, estar satisfeito com seu desempenho também é muito importante para seu desevolvimento profissional no cinema. Mas, ganhar prêmios não é o suficiente, pois muitos bons atores e marcantes não ganharam uma quantidade considerável de prêmios, e mesmo assim foram um marco e tiveram seu espaço, no mundo do cinema.

                                                                             Atores Marcantes                                                           
Whoppi Goldberg, Danny Glover, Al Pacino, Charlin Chaplin, Matt Damon, Meryn Stripp, Marilyn Monroe, Jack Nilchson, Greta Garbo, Maggie Smith, Robert de Niro, Clark Gable, Vivien Leigh, Mary Pickford, Theda Bara, Hedy Lamarr, Alla Nazimova, Rodolfo Valentino, Buster Keaton, Jean Harlow, Paullete Goldard, Douglas Fairbank e muitos outros.

                                                                    Atores Atuais Muito Bons                                                       
Will Smith, Adan Sandler, Chris Rock, Seth Rogen, Halle Berry, Ashton Kutcher, Angelina Jolie, Brad Pitt, Julia Roberts, Jamie Foxx, Bradley Cooper, Natalie Portman, Hugh Grant, Jim Carrey, Ellen Page, Arnold Swargeneger,  Leonardo DiCaprio, Anne Hathaway e outros.

                                                                          Filmes Marcantes                                                                  
A Cor Púrpura, Ghost - Do Outro Lado da Vida, Forrest Gump - O Contador de Histórias  e muitos outros (não vou ficar citando, senão vai demorar mais de horas, Desculpe !)

Análise por Gabrriel, Obrigado !


Crítica : Pagando Bem, Que Mal tem ?


Diretor aposta em Problemas Financeiro com sexo
e a mistura tem como consequência um bom filme.

Zack Brown (Seth Rogen) e Miriam Linky (Elizabeth Banks) são amigos há muito tempo, sendo que atualmente dividem uma casa e possuem diversas dívidas. Após terem a água e a luz cortadas, eles resolvem fazer um filme pornô caseiro para conseguir algum dinheiro. Desta forma selecionam alguns amigos para ajudá-los, jurando que o sexo não irá prejudicar a amizade existente. Só que, quando as gravações começam, o negócio se torna algo bem maior do que imaginavam.

Criticar um filme com Seth Rogen, é o mesmo que criticar um com o Sandler. É díficil pois assim como Sandler, Rogen é um ótimo ator, capaz de fazer diversos filmes de alta capacidade. Nessa comédia, Seth aparece com ótima atuação. Na minha opinião, o atraso para o lançamento e outros problemas e polêmicas que envolveram a comédia atrapalharam o desempenho dessa comédia.

Novamente a falta de capacidade dos produtores brasileiros incomoda novamente. Colocando um título diferente e muito distante do título original o filme segue em frente. Zack e Miri fazem um Pornô (título original) para Pagando bem, Que mal tem ? O primeiro erro do filme. Realmente tenho que concordar com o que disse outros críticos, depois de ver o filme, entendi o porque o filme passou por diversos problemas por causa da censura. De uma comédia simples e despretenciosa para um prático filme pornô. Isso realmente não é comédia ! Mas nesse filme, isso é transformado em alguns bons momentos de risada.

Concordo que o filme, não necessariamente esse, mas qualquer outro, o mais péssimo que for com Seth Rogen, já ganha um certo ar de melhor e ou de uns risos a mais no filme. É um filme bem bacana, mas eu acho que podia ser melhor. Acho que com um tema tão "polêmico" merecia mais atenção a alguns pontos : figurino melhor nas cenas de pornôes, mas convincente de um pornô mesmo, como nas cenas que são mais adultas. Na minha opinião nessas cenas, o figurino foi um pouco simples, elenco, outro ponto fraco do filme, merecia mais atenção. Pra um filme tão polêmico, com tema tão polêmico, merecia um elenco melhor, com atores um pouco mais experientes. De resto, foi uma comédia bem bacana, que errou em alguns pontos, mas permaneceu boa até o final, sem entrar naquele romance meloso de outros filmes do gênero.  Foi legal, mas podia ser ainda melhor. Percebi que a direção (Kevin Smith), tentou fazer algo explícito e se preocupou em juntar isso com Comédia, tentando mostrar que o pornô não devia ser implícito, mas mais mostrado e divulgado sem nenhuma vergonha e se perdeu nisso; pois deixou outros pontos mais importantes em segundo plano.


                                                                                 Nota 7                                                          

Informações sobre o filme :
Título : Zack and Miri make a Porn
Gênero : Comédia
Direção : Kevin Smith
Elenco : Seth Rogen, Elizabeth Banks, Jason Mewes
Duração : 102 minutos


Crítica : Super Herói : O Filme

Mesmo com pouca duração, elenco simples, figurinos
simples e uso exagerado de Clichês, comédia se sai bem.

Após ser picado por uma libélula geneticamente alterada, Rick Riker (Drake Bell) tem sua vida alterada para sempre. Ele ganha superpoderes e passa a usá-los para combater o mal, sob a alcunha do Homem-Libélula. Entretanto Rick enfrenta um problema: sempre que tenta salvar alguém acaba matando-o acidentalmente. Apesar disto ele precisa enfrentar o Ampulheta, um vilão que deseja roubar a fonte de vida das pessoas para alcançar a imortalidade.

Díficil criticar filmes de super heróis.Na indústria internacional há muitos desses que são bons. Em Super Heróis : O filme, vemos que é uma simples comédia sem nenhum objetivo. Cenas malfeitas, modo iverossímil insuficiente para uma comédia de super heróis, mal desempenho de personagens, uso em extremo de clichês. Venhamos a concordar que podia ser muito pior, mas até impressionou de tal forma, mas não foi o suficiente para garantir um bom filme.

Tenho que admitir que o filme mais uma comédia sem graça da indústria de cinema. Porém no ponto, sem graça, temos que admitir que foi uma comédia besteirol preparada exatamente pra isso, ser uma besteira total. E nisso se sai bem, pois tem muitos bons momentos de acessos de riso e na maioria da duração do filme, tiramos boas e consideráveis risadas. Leslie Nielsen até se saiu bem como tio do personagem principal. Bom, sinceramente não era de se esperar uma pura comédia. Mas é muito melhor do que os concorrentes, Espartalhões, Não é mais um besteirol Americano e Deu a Louca em Hollywood, o filme consegue ser muito melhor que esses, mas por ser do gênero do filme eles conseguiram fazer um filme besteirol com bons momentos de comédia.


                                                                           Nota 8                                              

Informações sobre o Filme :
Título : SuperHero Movie
Direção : Craig Mazin
Atores : Drake Bell, Sara Paxton, Leslie Nielsen
Duração : 85 min
Gênero : Comédia

sábado, 21 de maio de 2011

Crítica : As Branquelas

Comédia com Irmãos Wayans surpreende, excede
as expectativas e promete ter sequência ainda melhor

Os irmãos Marcus (Marlon Wayans) e Kevin Copeland (Shawn Wayans) são detetives do FBI que estão com problemas no trabalho. A última investigação da dupla foi um grande fracasso e eles estão sob a ameaça de serem demitidos. Quando um plano para sequestrar as mimadas irmãs Brittany (Maitland Ward) e Tiffany Wilson (Anne Dudek) é descoberto, o caso é entregue aos principais rivais dos irmãos Copeland, os agentes Vincent Gomez (Eddie Velez) e Jack Harper (Lochlyn Munro). Para aumentar ainda mais a humilhação da dupla, eles são escalados para escoltar as jovens mimadas do aeroporto até o local de um evento pelo qual elas esperaram por meses. Porém no trajeto um acidente de carro provoca um verdadeiro desastre: enquanto uma das irmãs arranha o nariz, a outra corta o lábio. Desesperadas, elas se recusam a ir ao evento. É quando,para salvar o emprego, Marcus e Kevin decidem por assumir as identidades das irmãs.

Já era de se esperar uma comédia decente. Bom figurino, bom elenco, boa direção e bom tema abordado. Erros, em qualquer filme podemos encontrar, mas aqui são poucos. Uso em excesso de clichês e muitos furos que não atrapalham o desenvolvimento. A parte de maquiagem também é boa, mas fica um pouco distante de parecer uma patricinha de Bevelly Hills ou qualquer outro ambiente, a não ser um Brooklyn ou Morumbi kkkkkkkkkk. Sem dúvida o "ajuda filmes" (que é coodjuvante na maioria dos seus trabalhos) Terry Crews proporciona os melhores momentos da Comédia. É um filme que mesmo assistindo em excesso, conseguimos captar humor na maioria das cenas. Há bastantes erros no filme, mas mesmo assim não deixa de ser a melhor comédia do cinema atual. O maior erro de um filme que pretende ser é bom, é abusar na escolha do elenco. Pois o pretender não significa conseguir. Mas em As branquelas, um elenco que na época (2004) era um pouco desconhecido eles apostaram e conseguiram, mas por olhar ocioso o Excesso de clichês não incomoda mas poderia ser revisto pois é usado excesso, em muito excesso : vários suspeitos, esposa indignada de um, o interesse romântico de outro, investigação clandestina após perda de distintivo. Ao pensar de forma ociosa, o filme realmente erra demais, e passa por um momento de amnésia em todos os personagens presentes na cena e dale erro de roteiro. Será que é possível uma mulher correr atrás de um bandido após roubar suas bolsa, arriscar a vida por uma bolsa ? Díficil, e isso é algo que passa despercebido pelos outros personagens, pois ninguém ao menos desconfia e nem atua, ou ao menos menciona algo em relação de forma desconfiada. E isso atrapalha o filme. Um filme tão bom, merecia mais atenção aos erros.


                                                                                Nota 9                                                          

Informações sobre o filme :
Título : White Chicks
Gênero : Comédia
Direção : Keenan Ivory Wayans
Atores : Marlon Wayans, Shawn Wayans, Jaime King
Duração : 105 min

Crítica : Click

O clique no Controle, transformou o que achavámos
uma perda de tempo, em uma ótima Comédia

Michael Newman (Adam Sandler) é casado com Donna (Kate Beckinsale), com que tem Ben (Joseph Castanon) e Samantha (Tatum McCann) como filhos. Michael tem tido dificuldades em ver os filhos, já que tem feito serão no escritório de arquitetura em que trabalha no intuito de chamar a atenção de seu chefe (David Hasselhoff). Um dia, exausto devido ao trabalho, Michael tem dificuldades em encontrar qual dos controles remotos de sua casa liga a televisão. Decidido a acabar com o problema, ele resolve comprar um controle remoto que seja universal, ou seja, que funcione para todos os aparelhos eletrônicos que sua casa possui. Ao chegar à loja Cama, Banho & Além ele encontra um funcionário excêntrico chamado Morty (Christopher Walken), que lhe dá um controle remoto experimental o qual garante que irá mudar suaa vida. Michael aceita a oferta e logo descobre que ela realmente é bastante prática, já que coordena todos os aparelhos. Porém Michael logo descobre que o controle tem ainda outras funções, como abafar o som dos latidos de seu cachorro e também adiantar os fatos de sua própria vida.

O díficil é saber porque. Mas é estranho que quando vemos um filme do Sandler no cinema sempre já aderimos um aspecto mais ocioso e já temos um pouco de receio. Será que pela díficil época de filmes ruins que este passou ? Bom, não sabemos o porque, mas devemos encerrar isso, pois a cada filme que passa mais impressionado ficamos. Mesmo sabendo que esse filme já um pouco antigo, criticamos da mesma maneira, pois diferente dos outros blogs críticos, criticamos todos os filmes. Antigos, atuais, tanto faz. O importante é proporcionar a vocês um certo conforto e uma segurança antes de ver o filme.

Em Click, sinceramente o melhor filme de Sandler. Eu chorei. kkkkkkkk. Chorar assistindo uma Comédia ? É, pois é. Uma Comédia Dramática e muito dramática, mas que no fim, o choro é solucionado com boas gargalhadas para uns e decepçãoa  outros. O filme é conduzido para um lado de drama, porém é solucionado com Comédia. Boa comédia, sensacional. O infelizmente é a duração, a pouca duração do filme. Rimos, choramos e nos divertimos esse é o melhor. Realmente todos os atores desenvolveram de forma positiva e com muita personalidade seus personagens. O que já demosntra a extrema qualidade do trabalho de Frank Coraci. Henry Winkler e Julie Kavner interpretando os pais do personagem principal dão show de atuação destaque a Winkler grande ator da série Happy Days. Kate Bakinsale decepciona de certa forma, mas não pela maneira da atuação, mas pela falta de qualidade de sua personagem. Até mesmo Rob Schneider (grande colaborador e presente no elenco de filmes do Sandler) se destaca com sua participação especial. Ponto também para a equipe de maquiadores que de forma sensacional consegue mudar diversos aspectos físicos e visuais de Sandler a cada série de avanço do controle, até mesmo quando já está velho. O filme é sensacional e um dos melhores de Sandler e uma das melhores comédias. Mas mesmo sendo sensacional, podia ter mais sequências de puro riso, assim como em As Branquelas.


                                                                                  Nota 9                                                                  

Informações sobre o filme :
Título : CLICK
Gênero : Comédia
Direção : Frank Coraci
Atores : Adan Sandler, Kate Benckisale, Christoper Walken
Duração : 98 min

Crítica : Um Faz de Conta que Acontece

Mesmo sem um Assunto tão interessante, alta capacidade
de produtores e atores geram o ineimagínavel.

Skeeter Bronson (Adam Sandler) é o faz-tudo de um hotel. Misteriosamente, um dia as histórias que conta para que seus sobrinhos durmam tornam-se realidade. Ele logo tenta se aproveitar do ocorrido, criando histórias cada vez mais bizarras de forma que atendam aos seus desejos e aspirações. Porém as inesperadas contribuições de seus sobrinhos às histórias acaba por fazer com que ele perca o controle sobre elas.

Novamente tenho o prazer de elogiar mais um ótimo e significativo filme do Sandler. Quando lemos o título e conferimos a história realmente nem temos vontade de assistir. Comigo foi assim, não estava nem um pouco entusiasmado e feliz de ver esse filme e mesmo assim tentei e arrisquei. Realmente não me arrependi, pois mesmo com um título meio distante de se esperar um bom filme, encontramos uma inocente comédia que resultou um bom filme.
O elenco foi muito bem escolhido e a presença de Sandler deu bom destaque ao filme, pois o filme juntou a imaginação com a Comédia e resultou em Um Faz de Conta que Acontece. E aconteceu. Aconteceu realmente uma comédia de qualidade, mesmo todos achando que seria apenas Um faz de Conta.

Em alguns momentos concordo com outros críticos ao dizerem que a comédia as vezes não contenta com o que está fazendo, produzindo e seguindo que as vezes excedem demais do necessário. E assim, as vezes foge do padrão e se perde. Pode até mesmo ser uma comédia Iverossímil, porém nenhuma cena demosntra isso e então ao tentar passar pra esse lado, incomoda por não saber como chegar nesse ponto. Como por exemplo as crianças formularem histórias que possam ocorrer na vida do personagem. É uma tentativa de tentar ir pro lado dos sonhos e fantasia, porém não aparenta. E mesmo assim, o filme não consegue explicar o como isso é possível. Essa ligaçãoé  um pouco díficil de ocorrer, ou seja, o maior erro do filme foi a Tentativa de passagem pro lado Iverossímil, o fato de entrar em um lado que não é vísivel ao telespectador.

Formulando as ideias de forma significativa, tentamos dizer que não foi vísivel o lado Iverossímil do filme (que é ocorrido, porém não demonstrado).  Exemplo : em Besouro Verde, é filme Iverossímil, porém é claramente demonstrado e talvez esse fosse o Objetivo do filme, mas já em Um faz De Conta que Acontece, esse lado não é claro e não é vísivel, pois percebemos a tentativa de mudança durante o filme.

O filme é muito bom. Melhor do que esperava ser, mas um pequeno erro atrapalhou um filme que poderia ser muito melhor.


                                                                               Nota 8                                             

Informações sobre o Filme :
Título : Bedtime Stories
Direção : Adan Shakman
Atores : Adan Sandler, Thomas Hoffman, Courteney Cox, Russel Brand
Duração : 95 minutos
Gênero : Comédia



Crítica : Como se Fosse a Primeira Vez

Assim como bons momentos da vida da personagem,
a Comédia fica um pouco esquecida no filme.

Henry Roth (Adam Sandler) é um veterinário paquerador, que vive no Havaí e é famoso pelo grande número de turistas que conquista. Seu novo alvo é Lucy Whitmore (Drew Barrymore), que mora no local e por quem Henry se apaixona perdidamente. Porém há um problema: Lucy sofre de falta de memória de curto prazo, o que faz com que ela rapidamente se esqueça de fatos que acabaram de acontecer. Com isso Henry é obrigado a conquistá-la, dia após dia, para ficar ao seu lado.

Um filme com Adan Sandler, já nos prepara para bons momentos de riso. Mas talvez não nesse caso. O filme Como se Fosse a Primeira Vez, sem dúvida é um filme marcante para a carreira de Adan Sandler, pois é um bom Drama com ele. Drama. Sim, pra mim essa estimada comédia passou para o Drama, e carregou esse gênero até seu final. Eu, sinceramente gostei muito do filme, só não gostei de como ele foi conduzido.

Os melhores mometos pra mim, são protagonizados pelo personagem Ula (Rob Schneider), que na maioria das vezes com seu expicional talento nos dá ótimos momentos de pura risada. Drew Barrymore em ótimo atuação também, mas protagonizou os momentos mais dramáticos do filme, e assim conseguiu levar o filme de uma comédia inocente, para um Drama Convincente. Até me emocionei em alguns momentos e ri em outros. E assim, como em Funny People (Tá rindo Do Quê), os produtores e diretores fugiram um pouco do assunto e do gênero, mas mesmo assim protagonizaram um ótimo filme. Porém para tão bons atores como Sandler, Barrymore e Schneider o filme merecia um tema melhor e um assunto mais convidativo. A direção foi muito competente, mas nem tão boa para protagonizar um filme melhor.


                                                                               Nota 7                                                     

Informações sobre o filme :
Título : 50 First Dates
Direção : Peter Seagal
Atores : Adan Sandler, Drew Barrymore, Rob Schneider, Sean Astin
Duração : 106 min
Gênero : Comédia Romântica

Crítica : Tá rindo do Quê ?

Um drama contagiado de Comédia. Junção de 2 bons
atores, impressiona com Comédia Dramática

George Simmons (Adam Sandler) é um popular comediante, que descobre que possui uma doença sanguínea incurável. Devido a ela, George tem apenas mais um ano de vida. Ira Wright (Seth Rogen) é um comediante em ascensão, que tem dificuldades em dissociar seus personagens dele próprio. George e Ira têm uma característica em comum: não possuem amigos próximos. Uma noite eles se conhecem quando farão apresentações no mesmo local. George contrata Ira para ser seu assistente pessoal, abrindo seus shows. Logo eles se tornam amigos, com George ensinando a Ira como conduzir o público do palco e Ira ajudando-o a encontrar seu legado.

Criticar esse filme realmente é uma missão muito díficil. Criticar nada mais do que falar a opinião daquilo que assistiu, só que de maneira crítica, observadora e ociosa. Um crítico captura todos os momentos do filme e também nota todos os momentos e capta e formula uma ideia real do que viu bolando tudo em uma crítica. Para início, os produtores brasileiros dessa vez, souberam muito bem implantar o nome ao filme, adequadamente, diferente do que presenciamos em outras ocasiões. Nesse caso, temos a junção de 2 talentosos atores de comédias em um filme, que une a comédia com o drama. Dificilmente encontrar diretores que se dão bem com essa junção, pois são gêneros totalmente diferentes e para juntá-los deve-se ter certa malícia e um bom conhecimento. O diretor Judd Apatow em seu primeiro filme sério consegue o estimado. No filme, podemos observar bons momentos de puro riso e muitos momentos realmente tristes e dolorosos, porém tudo bem adequado. Na minha opinião, a junçãoi de 2 tão bons atores poderia gerar um filme melhor e mais convidativo, mesmo sendo um bom filme este. Seth Rogen faz um papel muito bom, porém um pouco distante de outros filmes que atuou. Adan Sandler atua bem e incorpora muito bem o pérsonagem tanto nas horas dramáticas, quanto nas risonhas. Os momentos dramáticos podiam ser mais constantes junto aos momentos de riso e comédia, mas esses dois gêneros mesmo bem adequados ficam distantes. A duração do filme é incômoda, pois quando o filme podia ter término, o filme é esticado e vai acrescentando cenas que não são suficientes para convencer o público de que aquilo era necessário. Então o filme entra em drama familiar e drama amigáveis o que não deviam ser cabíveis ao filme. Aos erros e acertos o filme chega ao final. Um bom filme, um bom humor, um bom drama, mas com tão bom elenco o filme merecia ser melhor.


                                                                                Nota 7                                                   

Informações sobre o filme :
Título : Funny People
Direção : Judd Apatow
Atores : Adan Sandler, Seth Rogen, Leslie Mann, Eric Bana
Duração : 146 minutos
Gênero : Comédia/Drama


sexta-feira, 20 de maio de 2011

Crítica : Esposa de Mentirinha

A esposa é de mentirinha, mas a Comédia
é de verdade e de muita qualidade

Danny McCabbe (Adan Sandler) queria um relacionamento sério, mas foi infeliz em sua tentativa de casamento. Para driblar a carência, passa a vivenciar somente namoricos e transas sem o menor compromisso. Assim, ele toca sua vida como Cirurgião Plástico bem sucedido, tendo sua melhor amiga Katherine (Jennifer Aniston) , mãe solteira de um casal de pirralhos, como fiel escudeira. Mas, um dia ele conhece a jovem Palmer, e a paixão toma conta de ambos. Disposto a se casar com ela, Danny pisa na bola, quando para consquitá-la inventa que é marido da amiga, pai das crianças e que vai se separar. Começa, então uma verdadeira aventura amorosa recheada de confusões de todos os tipos.

Olha ... Estava indo pro cinema, e como sou muito preguiçoso, saí de casa uns 20 minutos antes do inicio da sessão, que seria as 15h00, mas devido ao trânsito e tudo o mais cheguei no cinema as 15h10. Pra mim não seria problema ver o filme 10 minutos atrasado, mas quando cheguei a fila estava imensa. Pra ser sincero, fui para assistir Vovo...Zona 3, mas como os ingressos estavam esgotado fui infeliz assistir Esposa de Mentirinha, pois achava que seria outra comédia idiota de cinema.

Mas quando cheguei lá, eu dei tanta risada, que até chorei de rir. O filme é sensacional, totalmente engraçado, e muito bom. Adan Sandler interpretando Danny, simplesmente brinca, ri com suas piadas e é irônico muitas vezes, com seu visual costumeiro simples, mesmo sendo rico em suas interpretações, sempre usas coisas mais despojadas e simples que já é algo muito engraçado. Jennifer Aniston fugindo daquela monótona chatinha amorosa de Marley e Eu, para uma mãe engraçado, irônica e extrovertida junto ao Sandler.

O elenco mirim, é totalmente maravilhoso, tanto nos momentos sérios, quanto nos momentos engraçados que eles se sobressaem demais, de forma positiva. Bailee Madison, em excelente performance, pra mim a melhor do filme. Com seu sutaque, e suas falar engraçadas, principalmente depois, sendo a mais responsável e tendo de cuidar do irmão e tudo mais no filme, Bailee é típica irmã no filme, e quando se junta ao Sandler em algumas cenas fica ainda mais engraçada. As paisagens no Havaí também são muito boas, e algo um pouco incomôdo, fora do comum, é a atuação de Natalie Kidman, em alguns momentos ela é engraçada e até tira boas risadas.

Apesar de tudo isso, Esposa de Mentirinha tem um toque de Gente Grande, parecendoe  aparentando ser Gente Grande II Reavaliado, pois é muito melhor que o Gente Grande, em si. Brooklyn Decker pra mim, como atriz é péssima. Com seu jeitinho adolescente delicada é tão chata e incomôda. A atuação dela foi muito ruim. Griffin Gluck também, em seu primeiro trabalho, como Michael (filho da personagem de Jennifer Aniston)  tem ótimas tiradas, bom diálogo e boa atuação.

O filme é sensacional e uma das melhores comédias que já assisti. Adan Sandler em umas de suas melhores atuações.


                                                                             Nota 10                                                 

Informação sobre o filme
Título : Esposa de mentirinha (2011)
Direção : Dennis Dugan
Atores : Adan Sandler, Jennifer Aniston,
Bailee Madison, Natalie Kidman
Duração : 107 minutos
Gênero : Comédia Romântica